CODFISH WATERS

Gráficos

Posted in Uncategorized by António Luís Vicente on 1 Junho, 2008

Na imprensa em geral, e na imprensa portuguesa em particular, é habitual ver gráficos mal pensados e mal desenhados. Pode ser que ocasionalmente a intenção seja induzir em erro, mas estou convencido de que na maior parte dos casos o problemas deve-se ao desleixo natural e à dificuldade da tarefa.  

Não é fácil criar gráficos que sejam ao mesmo tempo rigorosos, estéticamente interessantes e eficazes do ponto de vista da comunicação. Ha tempos li que o New York Times tinha uma equipa de 30 pessoas só para desenhar gráficos e tabelas para o jornal, o que dá frutos, mas não impede erros ocasionais.    

Há uns dias o 37 Signals discutia o poder dos gráficos através da história, aparentemente verdadeira, que Bill Gates terá mudado o enfoque da sua fundação – a maior do mundo – após ler uma tabela no New York Times – vale a pena ler o post “The infographic that saved a million lives“.

A grande autoridade nesta área é Edward Tufte. O seu website e o seu livro “The Visual Display of Quantitative Information“, inclui discussões admiráveis sobre o tema assim como inúmeros conselhos sobre como melhorar os nossos gráficos e detectar falácias nos dos outros. Em Portugal existe também um excelente blog/site dedicado ao tema, o Charts, de Jorge Camões.  

Tufte redescobriu para o mundo este gráfico do séc. XIX, que para ele é um dos mais geniais alguma vez desenhado. Ilustra o avanço das tropas napoleónicas sobre a Rússia, mostrando de forma eficaz a matança causada por essa campanha, sugerindo porque é que representou o princípio do fim para Napoleão. A espessura da linha cinzenta-clara representa a dimensão do exército, que no momento da partida é de 422.000 soldados. Finda a campanha, regressaram a França (retorno ilustrado a cinzento escuro) apenas 10.000. O gráfico cruza ainda esta informação com as temperaturas negativas a que os soldados foram estando expostos ao longo do caminho, mostrando assim o papel do “General Inverno”. A batalha do Rio Bérézina, uma das mais trágicas derrotas militares da história da França, é arrepiadamente ilustrada no “estreitamento” súbito da linha mais escura (a do regresso) na passagem do rio – o exército passa de 50.000 para 28.000 soldados…(uma versão maior do gráfico aqui).   

 

Anúncios

How to Write Well and Influence People

Posted in Uncategorized by António Luís Vicente on 29 Fevereiro, 2008

Também self-help mas do bom, para escrever melhor e usar números com rigor: 

O último texto inclui as famosas regras de Orwell para uma boa escrita: 

  1. Never use a metaphor, simile, or other figure of speech which you are used to seeing in print.
  2. Never use a long word where a short one will do.
  3. If it is possible to cut a word out, always cut it out.
  4. Never use the passive where you can use the active.
  5. Never use a foreign phrase, a scientific word, or a jargon word if you can think of an everyday English equivalent.
  6. Break any of these rules sooner than say anything outright barbarous.