CODFISH WATERS

Terá mesmo chegado ao fim?

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 9 Maio, 2008

João Jesus Caetano apresenta no Goodnight Moon cinco razões pelas quais a corrida democrata pode não ter chegado ao fim. Destaque para:

Clinton poderá vir a ter na Virgínia Ocidental e no Kentucky duas das três melhores perfomances eleitorais em todo o processo. Ninguém, no seu juízo completo, abandonaria a corrida dias antes de vitórias dessa dimensão.

 

Indiana e NC II

Posted in Uncategorized by Francisco Camarate de Campos on 7 Maio, 2008

11:59pm ET: Apesar de em menos de uma semana, Hillary Clinton ter recuperado de -3 para +2 na diferença face a Obama em Indiana, os resultados da candidata nos dois Estados que hoje tiveram Primárias ficaram longe de “se tirar o chapéu”. Parece que me enganei, peço desculpa. Obama foi quem desta vez renasceu das cinzas e obteve um óptimo resultado em North Carolina e um muito decente em Indiana. Será que apesar dos momentos menos conseguidos na campanha de Obama, os democratas ficaram fartos de tanta luta?

Temos lutador?

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 5 Março, 2008

 

No tema do “what’s next” nas primárias democratas, a questão do momento é se Barack Obama vai (e é capaz) de responder aos ataques de Clinton que, segundo vários comentadores, foram essenciais para os resultados de ontem. Veja-se aqui e aqui. A questão é muito delicada. Vamos por partes.

Primeiro, atacar é bom. Pois, nem sempre. O International Heral Tribune dizia há pouco mais de uma semana o seguinte: “Clinton’s hard-edged instinct for negative politics has usually turned off the public”. O ataque do plagiarismo de Obama não me parece que tenha sido bem pensado, mas o da relação de Obama com o Canadá sobre a NAFTA, deve ter tido o seu efeito.

Depois, deve Obama atacar Hillary? Se o fizer, está a ir contra os seus princípios de uma nova forma de fazer política (aonde é que eu já ouvi isto?), mas caso não o faça, perde uma parte fundamental da forma de ganhar eleições. Obama está num forte dilema. Seguir o que apregoa ou fight back. Agora, com esta importante decisão, Obama mostrará se é ou não um líder forte e se é capaz de recuperar o momentum perdido.

Obama necessita de utilizar todo o capital intelectual do seu staff para criativamente atacar Clinton, sem invalidar os seus princípios. Por exemplo, o seu flyer sobre a opinião de Hillary sobre a NAFTA nos anos 90 não é um bom caminho. O anúncio de Hillary de que é a pessoa certa para atender o telefone na Casa Branca às 3 da manhã é o caminho certo. Não fala directamente de Obama, mas deixa entender que não está preparado. Obama respondeu, mas precisa de mais, precisa de ser o originador do debate. Obama para ganhar terá que evoluir do “hope” e “change” como Hillary evoluiu de “experienced” para “fighter”.

A corrida mais louca do mundo

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 5 Março, 2008

wacky2.jpg

Com a vitória clara de Clinton em Ohio e Rhode Island, a vitória de Obama em Vermont, e o empate técnico no Texas (neste momento em que escrevo ainda não há vencedor declarado), a ilação a tirar desta mini-Super-Tuesday é que a corrida democrata continua. As estatísticas valem o que valem, mas tenha-se em consideração que nas últimas ocasiões em que os democratas “arrastaram” a decisão final sobre o seu candidato até à Convenção Nacional (1952, 1972 e 1980), perderam sempre a eleição para Presidente.

Acabou-se a música

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 5 Março, 2008

Clinton III

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 28 Fevereiro, 2008

A revista New York Magazine tem um artigo interessante sobre Chelsea Clinton, o seu percurso enquanto figura pública, e como tem vindo a ganhar maturidade para eventualmente seguir os passos dos seus pais na vida política activa. Chelsea fez ontem 28 anos e poderá nos próximos anos ser o alvo principal da atenção política e mediática sobre a dinastia Clinton, caso se confirme o aparente insucesso da campanha da sua mãe a presidente dos EUA. Entre as conclusões do artigo, destaque para:

But after all that she’s been through, is it even conceivable that Chelsea would want to embark on anything like a political career? Most children of people who have been battered like the Clintons have been battered would recoil. Still, Chelsea has shown in the last few months that she is, emphatically, a Clinton. She’s a natural politician, stunningly good at it.

Obama e Religião II

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 26 Fevereiro, 2008

Duas horas depois de escrever este post, descubro, via Público, que anda a circular (com origem no campo de Hillary, segundo os apoiantes de Obama) esta fotografia:

Quem disse isto?

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 24 Fevereiro, 2008

Quem disse isto?

We’ve gotten to where we’ve nearly them’d ourselves to death. Them, and them, and them. But this is America. There is no them; there is only us.

Não vale googlar!

Mitt, já negociou a vice-presidência?

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 8 Fevereiro, 2008

Does history repeat itself?

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 8 Fevereiro, 2008

Será que a história repete-se? Em 1976, Gerald Ford e Ronald Reagan foram para a convenção republicana de Kansas City sem nenhum dos dois ter delegados suficientes para garantir a nomeação. Ford na altura ganhou durante a convenção o apoio que necessitava por escassa margem, mas muitos questionaram-se à saída se seria o melhor candidato. The rest is history: Ford veio a perder para Carter na eleição para Presidente, que por sua vez perdeu para Reagan em 1980.

Com uma parte considerável das primárias democratas já realizadas, os dois principais candidatos têm uma margem de diferença muito escassa – 14 milhões de votos contados e menos de 0.5% de diferença entre Hillary e Barack. Neste ambiente, e com mais de três semanas até aos próximos grandes estados (dando a oportunidade a Obama de reduzir a diferença nestes estados face a Clinton), é necessário pôr alguns pontos na probabilidade de que se venha a ter uma convenção nacional democrata sem vencedor antecipado.

Nesse cenário, importante para Hillary Clinton, como o foi para Ford, será o seu apoio no seio do aparelho do partido – 193 super-delegados até ao momento contra 106 para Obama – já para não falar na possibilidade remota de Florida e Michigan virem a ser incluídos na contagem. Se com esses apoios decisivos Clinton vencer as primárias…aí, à saída da convenção, certamente muitos se perguntarão se nomearam the wrong girl.

Tsunami Tuesday – Republicanos

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 6 Fevereiro, 2008

Com alguns resultados ainda em fase de confirmação, podemos tirar as seguintes conclusões iniciais e ideias para o que vem a seguir sobre a terça-feira gorda dos republicanos:

1. McCain está muito próximo da vitória.

2. Talvez esperasse que o tivesse por números mais claros. As vitórias na Califórnia, em Nova Yorque e Illinois são clarissímas e importantíssimas, mas nos estados do interior, de que vai necessitar em Novembro, tem dificuldade em penetrar.

3. Romney é o grande perdedor da noite, mesmo incluindo nestas contas os democratas. Não conseguiu ganhar com a falta de força de McCain entre os conservadores mais tradicionais e parecem ser fracos os seus números no estado da Califórnia (face ao crescendo de expectativas).

4. Huckabee renasce das cinzas. Quando menos se espera, eis que regressa em força com vitórias em Alabama, Arkansas (estado de origem), Georgia, Tennessee e West Virginia. Como Huckabee disse no seu discurso desta noite:

They said that this was a race between two. They said, and they were right…and we’re part of those two!

5. Evangélicos estão mais divididos do que se possa pensar. Polls indicam um terço para cada – Huckabee, Romney e McCain, com ligeira vantagem para o primeiro.

6. Missouri – estado normalmente associado à voz geral do país – foi também para os republicanos uma luta fraticida. McCain venceu com uma margem mínima para Huckabee logo seguido por Romney. Huckabee conseguiu os votos dos agricultores e McCain e Romney dividiram os votantes nas cidades principais.

7. McCain parece a escolha, mas Huckabee vai lhe vender cara a vitória com a sua força no Sul. Romney parece mais longe. Precisava de uma grande vitória que não teve.

8. Os republicanos têm um dilema: escolher entre alguém que acreditem, mas que perca as eleições de Novembro, ou escolher alguém de quem têm muitas dúvidas, mas que lhes pode fazer ganhar novamente a Casa Branca. A dúvida para John McCain é como que pretende enfrentar este dilema republicano – motiva-os a votar e perde o centro ou esquece-os e perde o partido?

Tsunami Tuesday – Democratas

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 6 Fevereiro, 2008

 

Com alguns resultados ainda em fase de confirmação, podemos tirar as seguintes conclusões iniciais e ideias para o que vem a seguir sobre a terça-feira gorda dos democratas:

1. A corrida ainda não acabou. Hillary ainda não ganhou a nomeação democrata, o que seria uma hipótese forte há não muito tempo atrás.

2. Hillary ganha grandes estados – Califórnia e NY – e consegue um óptimo resultado em Massachusetts, respondendo com números ao apoio de Ted e Caroline Kennedy a Obama.

3. Obama ganhou mais estados (13 – Alabama, Alaska, Colorado, Connecticut, Delaware, Georgia, Idaho, Illinois, Kansas, Minnesota, Missouri (ver abaixo), North Dakota, e Utah), mas menos delegados. Alguns dos estados em que ganhou foi através do sistema de caucus.

4. Obama ganhou por larga margem em estados denominados “red states”, dando voz ao argumento que é a solução que melhor poderá combater os republicanos nas eleições de Novembro.

5. Hillary aparentemente (ainda com 20% dos votos contados, mas já como vencedora) conseguiu um óptimo resultado na Califórnia. Hillary perde entre a comunidade branca! e negra, mas ganha em grandes números nos hispânicos e asiáticos. Dois terços dos latinos (25% dos votos) optaram por Clinton. Em Nova York pesam menos (10% dos votantes), mas escolheram-na ainda em maior número – 75% Hillary. Se Obama quer ganhar o partido, necessita de ganhar esta comunidade. E não está a faze-lo.

6. Em Missouri há um impacto técnico. Com 99% dos votos contados, não há um vencedor declarado, embora Obama esteja à frente com 6500 votos de distância em mais de 800 mil. Este estado é importante por ser considerado o mais próximo da vontade geral do país. Basicamente é mais uma indicação que os votantes nas primárias democratas estão totalmente divididos entre os dois candidatos.

7. E agora? Próximos estados podem favorecer Obama – Louisiana e Nebraska dia 9, Maine caucus dia 10, e DC, Maryland e Virginia dia 12.

8. Hillary continua a ser favorita. Com a vitória clara na Califórnia, Hillary tornou uma noite que lhe poderia ter causado alguns amargos de boca num bom resultado. Algumas dúvidas para o futuro: Que estratégia para os próximos estados antes de se chegar ao Texas em Março? será para Clinton suficiente para “ganhar o partido” vencer estas eleições com vantagem mínima? O que pretende fazer a Bill se vier a liderar os democratas?

Tsunami Tuesday!!

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 5 Fevereiro, 2008

Talvez o melhor resumo numa única página do que está em causa neste dia: número de delegados por Estado por partido, regras por Estado por partido e últimas sondagens. Provavelmente para a Califórnia teria as minhas dúvidas em colocar a sondagem da SurveyUSA (53% Clinton, 41% Obama), que contradiz (pelo menos em magnitude da diferença) as restantes sondagens.

Super Tuesday states
Super Tuesday states
February 5, 2008

Via LA Times

Yes, we can

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 3 Fevereiro, 2008

Tsunami Tuesday update

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 2 Fevereiro, 2008

Hillary aparece mais destacada nas últimas sondagens, já pós desistência de Edwards. Aqui e aqui.

Obrigado por seres quem és

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 2 Fevereiro, 2008

Sei que depois de dito parece óbvio mas foi graças ao Financial Times de hoje que percebi a razão pela qual estas primárias são tão excitantes e estão a despertar tanto interesse na américa e no mundo. Temos que agradecer a este senhor…

…que por ser quem é, e por ser como é, e por não se candidatar, faz com que esta eleição seja a primeira em 80 anos nas qual nem o presidente em exercício nem o vice-presidente vão a votos. Se a isto somarmos o facto de não existirem à partida claros favoritos, temos os ingredientes para a mais competitiva corrida à Casa Branca de que há memória.

Disfranchisement II…China Caucus

Posted in Estados Unidos, Internacional by Francisco Camarate de Campos on 2 Fevereiro, 2008

Disfranchisement*

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 1 Fevereiro, 2008

Um causa para o séc. XXI: alargar o voto nas eleições americanas a um pequeno e marginalizado grupo populacional que ainda não tem esse direito: os não-americanos.

Pelo menos há interesse, muito interesse.  

* – não confundir com “Antidisestablishmentarianism”

Tsunami Tuesday

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 1 Fevereiro, 2008

Entre outras, a caminho do Super Tuesday 2008, vale a pena estar atento às seguintes questões nas primárias democratas:

De que lado é que vão estar os apoiantes de Edwards?

  • sindicatos devem apoiar Clinton
  • white males do lado de Obama
  • será que vai existir uma tendência clara?

Que consegue Obama fazer no Estado da Califórnia?

  • Obama está a contar aqui com o apoio de independentes e pessoas que até agora nunca votaram em primárias de forma a poder surpreender nos resultados. Neste momento procura cativar os latino-americanos tradicionalmente pró-Clinton.

Que impacto tem o apoio da família Kennedy em Estados como Massachusetts?

Que vai acontecer nos Estados de maior incerteza – Minnesota, Tennessee, Connecticut e em menor escala Missouri e New Jersey?

[Nos republicanos, as sondagens indicam McCain como vencedor e em muitos estados como Nova York existe a regra de que o vencedor elege todos os delegados à Convenção.]

Tsunami Tuesday, Ilustrado

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 1 Fevereiro, 2008

Florida, Ilustrado II

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 29 Janeiro, 2008

Giuliani: “show must go on?” Se não ganhar hoje, é pouco provável

* – Sim, é mesmo ele. Mais imagens dignificantes aqui.

Florida, Ilustrado

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 29 Janeiro, 2008

Esperemos que estas imagens das eleições de 2000 não se repitam hoje…

       

South Carolina, Ilustrado IV

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 27 Janeiro, 2008

Obama ganha South Carolina

South Carolina, Ilustrado III

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 26 Janeiro, 2008

Não, não é a bandeira de um Emirato do Golfo Pérsico, é a bandeira de South Carolina

South Carolina, Ilustrado II

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 26 Janeiro, 2008

 – “Smile honey, we need more feeling…”

– “Shut up Bill, next thing you’ll be asking me to cry”

South Carolina, Ilustrado

Posted in Estados Unidos by António Luís Vicente on 26 Janeiro, 2008

A julgar pelas polémicas das últimas semanas, o combate eleitoral de hoje é entre estes dois

Hillary a ganhar terreno

Posted in Estados Unidos by Francisco Camarate de Campos on 19 Janeiro, 2008

 

Prediction markets a pôr dinheiro na Hillary para Nevada. Vejam o gráfico da última semana. Os caucus democratas deste Estado começam hoje às 17h00 portuguesas.