CODFISH WATERS

Spontaneous order

Posted in Desenvolvimento by António Luís Vicente on 16 Junho, 2008

Nesta excelente conferência de William Easterly e de Arvind Subramanian sobre Hayek e a economia para o desenvolvimento, este último conferencista usa dois vídeos como metáforas sobre o nada óbvio papel das regras e das instituições. Num cruzamento russo temos sinais de trânsito que quando falham resultam em acidentes porque há um problema de expectativas – como está verde podemos avançar à vontade…o problema é quando as luzes falham. No segundo caso, no Vietnam, há uma total ausencia de regras (sinais de trânsito) mas colectivamente gera-se uma ordem espontânea.

Anúncios

Liberal-pessimista

Posted in Uncategorized by António Luís Vicente on 27 Maio, 2008

Há quem seja liberal-conservador e quem seja conservador-liberal. Há liberais-paternalistas. Há quem seja liberal e conservador, afirmando não ser conservador. De forma muito coerente, os liberais optam, e muito bem, pela livre-escolha de rótulos. Eu sou liberal-pessimista.  

O que é que isso quer dizer? Quer dizer que sou liberal mas que tenho quase a certeza absoluta de que os liberais nunca deixarão de ser uma muito pequena minoria, que se torna ainda mais pequena se forem excluidos desta categoria (o que me parece correcto) os crazy libertarians e os anarco-capitalistas. Não vou entrar em pormenor sobre as razões do meu pessimismo. No fundo, simplificando muito, acho que o liberalismo não é uma natural disposition humana. Suspeito que não demorará muito tempo a que se estabeleça com maior firmeza aquilo que já é sugerido hoje pela psicologia cognitiva e evolucionária e pela neurologia – que a generalidade das pessoas valorizam a protecção do Estado e que estão dispostas a sacrificar a liberdade e outras restricções e custos do Estado em troca de vantagens reais ou imaginadas (não por isso menos importantes) do mesmo. Como liberal lamento isso, mas também como liberal farei muito pouco para contrariar esta tendência. 

Woody Allen dizia que “death is an acquired trait”. Acho que ser liberal também o é. 

Descendo um bocado à terra, para a área das políticas públicas, este meu pessimismo é justificado por exemplo pela evolução do peso do Estado nas últimas décadas, sob governos de esquerda e de direita, ou pela forma como a maioria dos empresários lida com o Estado e com a concorrência. Em relação a este último aspecto, sou forçado a concordar em parte com Daniel Oliveira, neste artigo no Expresso, quando refere que:

Durão Barroso defendeu a privatização da CGD. Passos Coelho também defende. Um esqueceu e outro esquecerá, porque os empresários nacionais precisam de um banco público para as horas difíceis. Os nossos liberais fazem voz grossa contra a intervenção do Estado na economia mas desaparecem quando se assinam acordos com a Lusoponte ou quando empresas de construção civil financiam os partidos de poder à espera de bons negócios. 

Em relação à redução do peso do Estado, confesso que há uns anos era optimista. Mas gradualmente fui perdendo a ingenuidade, ao constatar fenómenos como o aqui resumido por Fareed Zakaria no seu The Future of Freedom:

Since the early 1980s, three Republican presidents … one Republican speaker, and one Democrat president have tried to pare down government spending. But they bumped up against the reality of interest-group power. As a result, in eight years Reagan was able to close exactly four government programs of any note…Bush senior…proposed killing 246 smaller programs. The savings would have been tiny: about $3.5 billion, or .25 percent of federal spending. Still he turned out to be too ambitious…only eight program were killed amounting to a grand savings of $58 million…Newt Gingrich and his freshman horde came to power on a platform dedicated to changing the way Washington worked…four years later, the Republican revolution was in shambles…The Republican began in 1995 with a budget proposal that would have eliminated about 300 programs…saving more than $15 billion. Then the lobbying began…It turned out that most Americans wanted smaller government in the abstract, but they were not the ones calling their congressmen. A few months later the Republicans ended up passing a budget with total reductions of $1.5 billion, only one-tenth of what they had planned, and totaling only .001 percent of the overall budget.*  

Mas ontem descobri uma ilustração ainda mais deprimente, num artigo que tem sido muito discutido por estes dias, The Fall of Conservatism, de George Packer, New Yorker (que é algo atenuada pela possibilidade da parte anedotal não ser verdadeira): 

According to Buchanan, who was the White House communications director in Reagan’s second term, the President once told his barber, Milton Pitts, “You know, Milt, I came here to do five things, and four out of five ain’t bad.” He had succeeded in lowering taxes, raising morale, increasing defense spending, and facing down the Soviet Union; but he had failed to limit the size of government, which, besides anti-Communism, was the abiding passion of Reagan’s political career and of the conservative movement. He didn’t come close to achieving it and didn’t try very hard, recognizing early that the public would be happy to have its taxes cut as long as its programs weren’t touched. 

* – Aos liberais-optimistas que acham que este falhanço se deve apenas aos grupos de interesse, sugiro a leitura de “The myth of the rational voter“, de Bryan Caplan. 

Hayek v. Keynes

Posted in Uncategorized by António Luís Vicente on 31 Março, 2008

A propósito de Skidelsky, vale a pena ler o seu artigo, incluido no Cambridge Companion to Hayek, sobre o que une e o que separa estas figuras cimeiras do panorama intelectual do séc. XX. O debate que travaram há 7 décadas sobre o papel do Estado continua actual e relevante.   

Tagged with: , ,

Vamos jogar ao Risco

Posted in Uncategorized by António Luís Vicente on 19 Março, 2008

É uma pena que do importante artigo desta semana de Greenspan o que fica, na maior parte das pessoas, é apenas a sugestão de que a actual crise é a mais grave desde a II Guerra Mundial. O artigo não é fácil para um leigo com eu, mas vale a pena ler. Insere-se num conjunto de artigos recentes que têm chamado à atenção para os limites dos modelos de risco usados pelos bancos. 

Alguns comentadores acham que os bancos se deixaram embriagar por sofisticados modelos de risco. Estes modelos resultam de um dado novo nos últimos anos – a aliança entre uma nova tribo bancária, os quants (analistas e cientistas com bases sólidas em matemática e finanças, uma espécie de nerds da banca) e os cada vez mais poderosos sistemas de informação. Não houve capacidade de resistência ao encanto destes modelos, devido à sua sofisticação e coerência interna, à legitimidade técnica de quem os elaborava e, principalmente, devido à predisposição humana para abraçar e engolir tudo o que oferece certezas e ordem (tipo astrologia). Hoje as limitações e os erros destes modelos estão à vista de todos. No artigo, Greenspan refere: “Also being questioned, tangentially, are the mathematically elegant economic forecasting models that once again have been unable to anticipate a financial crisis or the onset of recession”.

Mas como o “tangentially” sugere, muitos (incluindo Greenspan, como se depreende do resto do artigo) ainda não colocaram a seguinte questão: se calhar o problema não está nos modelos em si (tipo problema técnico teoricamente resolúvel se as premissas e a matemática forem melhoradas) mas sim na atitude perante esses modelos e nos danos provocados pela ilusão de que se domou o risco. E este assunto não diz respeito apenas à matematica financeira mas também à teoria económica em geral. 

O que se tem que encarar de frente é que as limitações destas previsões poderão não ser técnicas mas sim, para usar um palavrão, epistemológicas. Ou seja, em determinadas situações, pode ser humanamente impossível (para além de inútil e enganador) estimar o risco. 

Como em tantos casos, também nesta questão muito se pode aprender com um mau político. Daqui a 100 anos é provável que Donald Rumsfeld seja conhecido principalmente por ter dito a seguinte (brilhante) frase numa conferência de imprensa:  

As we know, there are known knowns. There are things we know we know. We also know there are known unknowns. That is to say, we know there are some things we do not know. But there are also unknown unknowns, the ones we don’t know we don’t know. (Feb. 12, 2002, Department of Defense news briefing) 

O problema nas previsões reside precisamente nos “unknown unknowns”, também conhecidos, na sequência de dois livros excelentes de Nassim Nicholas Taleb (“Fooled  by Randomness e “The Black Swan”), como “fat tail events” ou “black swans”, que são muito mais comuns e disruptive do que pensamos (que faz com que não possam ser considerados “a excepção que confirma a regra”). 

Assim, prefiro claramente o outro importante artigo que surgiu por estes dias a propósito da crise financeira e dos erros de previsão – “Our Uncertain Economy“, do prémio nobel da economia Edmund Phelps. Usando Keynes, Hayek e Frank Knight, o economista relembra que em outras fases históricas do pensamento económico havia maior respeito pela papel da incerteza na vida económica. Mas hoje:

Most economists have pretended that the economy is essentially predictable and understandable (…) a new school of neo-neoclassical economists proposed that the market economy, though noisy, was basically predictable. All the risks in the economy, it was claimed, are driven by purely random shocks — like coin throws — subject to known probabilities, and not by innovations whose uncertain effects cannot be predicted.

O problema é que esta história é muito familiar e as lições vão rapidamente ser esquecidas. Parafraseando uma famosa frase, em períodos de euforia, a primeira vítima é o rigor e a humildade. O que torna esta questão mais complexa é que o rigor é substituido por algo que parece ainda mais rigoroso, científico e preciso do que aquilo que se deitou fora. Depois, nas depressões, escrevem-se dezenas de editoriais sobre os erros cometidos e sobre o que devia ter sido feito, sobre bolhas que em retrospectiva eram “claramente especulativas” (tão claras que ninguém as via). Dapois, num eterno retorno, quanto volta a euforia…   

   

David Mamet

Posted in Uncategorized by António Luís Vicente on 18 Março, 2008

A esquerda nova-iorquina está em estado de choque com a “conversão” à direita de uma das suas estrelas, o dramaturgo e encenador David Mamet. Num artigo de opinião no Village Voice, Mamet refere que enquanto escrevia a sua última peça começou a pensar imenso sobre questões políticas e chegou à conclusão que toda a vida foi um “brain dead liberal”.  

A parte mais divertida do artigo é a descrição de como a sua mulher percebeu o que se estava a passar antes do que ele: 

We were riding along and listening to NPR [estação de rádio liberal]. I felt my facial muscles tightening, and the words beginning to form in my mind: “Shut the fuck up” she prompted. 

Mamet refere que durante várias decadas escreveu peças que retratavam uma visão sobre a natureza humana diametralmente oposta à que depois defendia enquanto “liberal”. Hoje acha particulamente errado o carácter derrotista da esquerda americana: 

I’d observed that lust, greed, envy, sloth, and their pals are giving the world a good run for its money, but that nonetheless, people in general seem to get from day to day; and that we in the United States get from day to day under rather wonderful and privileged circumstances-that we are not and never have been the villains that some of the world and some of our citizens make us out to be, but that we are a confection of normal (greedy, lustful, duplicitous, corrupt, inspired-in short, human) individuals living under a spectacularly effective compact called the Constitution, and lucky to get it. For the Constitution, rather than suggesting that all behave in a godlike manner, recognizes that, to the contrary, people are swine and will take any opportunity to subvert any agreement in order to pursue what they consider to be their proper interests.

O artigo tem ainda uma frase bastante Hayekiana:

But if the government is not to intervene, how will we, mere human beings, work it all out? I wondered and read, and it occurred to me that I knew the answer, and here it is: We just seem to. How do I know? From experience. I referred to my own-take away the director from the staged play and what do you get? Usually a diminution of strife, a shorter rehearsal period, and a better production. The director, generally, does not cause strife, but his or her presence impels the actors to direct (and manufacture) claims designed to appeal to Authority-that is, to set aside the original goal (staging a play for the audience) and indulge in politics, the purpose of which may be to gain status and influence outside the ostensible goal of the endeavor.

De entre os vários artigos escritos a propósito deste assunto, vale a pena ler a descrição de outras famosas “conversões” no Independent.